SGL

Secção da Industria

Actividades e Comunicações

A Secção da Indústria reactivada no âmbito da Sociedade de Geografia em 5 de Janeiro de 2007, pretende ser um local de reflexão e análise sobre as questões que afectam a indústria nacional e seu relacionamento com o mundo industrial.

Para desenvolver a sua actividade procurará o recurso a especialistas, instituições externas, – nacionais e estrangeiras -, nomeadamente, a académicos, a universidades, a empresários e suas associações e centros de desenvolvimento tecnológicos, para apresentarem e debaterem matérias relacionadas com a indústria.

A Secção da Indústria para além de se propor a de desenvolver o seu próprio programa anual, com acções bem definidas, tem como papel fundamental cooperar com as outras Comissões e Secções em acções comuns capazes de envolverem os industriais e outros operadores económicos e responsáveis pela área da industrial e, assim, proporem soluções ou recomendações, para um melhor aproveitamento do desenvolvimento tecnológico e aproveitamento das novas oportunidades comerciais e investimento.

Porque as empresas, tal como o poder político, devem estar bem posicionadas para serem capazes de adoptarem soluções para acompanhar as tendências que se desenvolvem na economia global e responder com rapidez, flexibilidade e inovação às mutações aceleradas da nova ordem económica internacional, torna-se imperioso que cada vez mais reforcem a sua competitividade nos mercados externos.

A definição de estratégias de actuação para os novos espaços económicos e regionais que devem ser diferenciadas e em função do actual nível industrial nacional ou previsível a curto prazo, na produção de bens e serviços de qualidade.

Do mesmo modo, a sua inserção no espaço da União Europeia, factor preponderante, nomeadamente, pela utilização dos instrumentos de financiamento e ajuda multilaterais para mercados da África Subsahariana e Magrebe, onde Portugal como média potência industrial já desempenha e detêm em alguns mercados, posições importantes, poderão vir a ser reforçadas com acções bem conduzidas.

. Decerto que os países africanos lusófonos, que constituem parceiros privilegiados no campo comercial e industrial, podendo em alguns deles, serem novos espaços para a deslocalização de unidades fabris, algumas das quais já não utilizáveis em Portugal, mas perfeitamente aceitáveis para os níveis que se encontram as indústrias locais. É pois com todo o empenho que a secção da indústria se propõe também a colaborar em todas as iniciativas levadas a cabo com a CPLP que nesta área se venham a realizar.

Das novas potências a nível indústria BRIC. – Brasil, Rússia, Índia e China -, e o seu papel fundamental que desenvolvem com a União Europeia, há que acompanhar todas as tendências que se desenvolvem no âmbito tecnológico e comercial e que afectam necessariamente a indústria nacional e colaborar em todas as iniciativas que possam de algum modo perspectivar uma maior valia para as empresas nacionais, em particular, capazes de promoverem projectos de internacionalização competitivos .

Porque a actuação do Estado face à indústria nacional desempenha um papel relevante, nomeadamente na contribuição da definição de um enquadramento multilateral favorável aos interesses portugueses nas sedes dos várias instituições como a União Europeia, Organização Mundial do Comércio, há também que acompanhar todos os desenvolvimentos susceptíveis de afectarem a indústria nacional.

Linhas gerais da actuação da Secção da Indústria.

O funcionamento da Secção da Indústria será conforme o disposto do artigo 33 do Estatuto Geral da Sociedade de Geografia.

A Secção da Indústria tem como finalidade contribuir para a reflexão e análise sobre as questões que afectam a indústria nacional e o seu relacionamento com o mundo industrial.

São objectivos da Secção:

Apresentar, debater e divulgar matérias relacionadas com a indústria

  • Contribuir para a definição de estratégias de actuação na área industrial e na sua vertente dos mercados externos
  • Sensibilizar o poder político e os industriais, respectivas associações e outros operadores económicos para os novos desafios e tendências que se desenvolvem na economia global e a necessidade de encontrarem respostas céleres, flexíveis e inovadoras para a indústria nacional.
  • Propor soluções e recomendações para um melhor aproveitamento do desenvolvimento tecnológico e das novas oportunidades comerciais e investimento para a indústria.

Para a realização dos objectivos a que se propõe, a Secção de Indústria elaborará um plano anual de actividades e colaborará com outras Comissões e Secções em acções comuns capazes de envolverem os industriais e responsáveis pela área industrial.

Do mesmo modo, procurará o recurso a especialistas e instituições externas, – nacionais e estrangeiras -, nomeadamente, a académicos, a universidades, a empresários e suas associações e centros de desenvolvimento tecnológicos para apresentarem e debaterem matérias relacionadas com a indústria.

Textos

A Industria Têxtil e Vestuário Portuguesa e os Desafios da Globalização

A Europa Central e Oriental e a Internacionalização das empresas portuguesas

Em nome da energia hidroeléctrica. Da Memória centenária ao futuro sustentável.

Quadro Estratégico Comum 2014-2020: Objetivos, Prioridades e Estrutura Orgânica

Os desafios económicos e estratégicos no Médio Oriente e suas implicações para Portugal

Os Ciclos Económicos e Expansão Portuguesa

(Os textos publicados nestas Comissões Gerais e Secções Profissionais são da responsabilidade exclusiva dos respectivos Presidentes)

Newsletter