SGL

Presidentes

PRESIDENTES DESDE 1876

PRESIDENTES DE HONRA

Na Monarquia:

Na República:

  • Dr. Manuel de Arriaga
  • Prof. Teófilo Braga
  • Prof. Bernardino Machado
  • Prof. Sidónio Pais
  • Alm. João do Canto e Castro
  • Dr. António José de Almeida
  • Dr. Manuel Teixeira Gomes
  • Marechal António Óscar Fragoso Carmona
  • Marechal Francisco Craveiro Lopes
  • Alm. Américo Thomaz
  • Marechal António de Spínola
  • Marechal Francisco da Costa Gomes
  • General António Ramalho Eanes
  • Doutor Mário Soares
  • Dr. Jorge Sampaio
  • Prof. Doutor Aníbal Cavaco Silva
  • Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa

ACTUAIS PRESIDENTES HONORÁRIOS

  • Prof. Doutor Adriano Alves Moreira
  • Cte. Eduardo Henrique Serra Brandão

Currículos resumidos dos Presidentes da Sociedade de Geografia de Lisboa

  • O primeiro presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa foi o general Januário Correia de Almeida que teve sucessivamente os títulos de Barão (1886), Visconde (1887) e Conde (1889) de São Januário.
    Nasceu em 31 de Novembro de 1829, tendo falecido a 27 de Maio 1901.
    O Visconde de S. Januário, como é mais conhecido foi uma personalidade relevante do seu tempo, tendo sido o primeiro presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa, bem como um dos subscritores do notável documento que foi a petição apresentada ao rei D. Luís para a criação desta Sociedade.
    Deve mencionar-se que o nosso primeiro presidente ocupou posições cimeiras na sociedade sendo de destacar que foi par do Reino, Conselheiro de Estado, general de Divisão e ajudante-de-campo de el-rei D. Luís.
  • Sucedeu na presidência da SGL ao Visconde de S. Januário, um sábio mestre da Escola Politécnica de Lisboa, o Professor José Vicente Barbosa du Bocage.
    Nascido no Funchal em 2 de Maio de 1823, faleceu em Lisboa, em 1907 após uma vida dedicada à ciência e ao ensino, bem como à intervenção política.
    Bacharel em medicina pela Universidade de Coimbra, em 1846, vemo-lo em Lisboa, no Hospital de S. José em 1847. Entretanto dedica-se aos estudos de zoologia, ingressando na Escola Politécnica de Lisboa, como lente substituto em 1849. Dedica-se ao ensino universitário e reorganiza o Museu de Zoologia da Escola Politécnica enriquecendo-o com colecções quer doadas pelo rei D. Luís, quer provenientes dos territórios ultramarinos e coligidas por José Anchieta e Francisco Newton. É este Museu que hoje tem o nome do seu grande reorganizador.
  • Entre 1884 e 1887 António Augusto de Aguiar dirige os destinos da nossa Sociedade.
    Trata-se de um professor notável, químico orgânico cuja actividade não é, actualmente muito conhecida. De igual modo se destaca como político e governante.
    Nascido em Lisboa em 1838 é lente substituto de Química da Escola Politécnica em 1861, em 1865 é proprietário desta cadeira. Foi ainda professor de Química do Instituto Industrial de Lisboa posteriormente reformulado e transformado no Instituto Superior Técnico por Brito Camacho em 1911.
    Além de trabalhos relevantes no domínio da Química Orgânica, alguns realizados em colaboração com outro insigne químico, o Prof. Agostinho Lourenço. António Augusto de Aguiar dedicou-se a estudos vinícolas no país, deixando-nos importante bibliografia sobre este assunto, tendo inclusivamente feito várias conferências, nomeadamente na SGL.
  • Francisco Maria da Cunha nascido nos Açores (Angra do Heroísmo) em 1832 e falecido em Lisboa em 1909 teve uma brilhante carreira militar, atingindo o posto de general de divisão em 1895. Foi director do Colégio Militar de 1882 a 1890 sendo notável a sua obra aí realizada.
    Como administrador ultramarino, para além de ter integrado várias comissões dependentes do então Ministério da Marinha e Ultramar, foi comandante do batalhão de Macau para onde partiu em 1869. Em 1878 é nomeado governador geral de Moçambique, tendo tido desempenho relevante pelo que foi louvado pelos governos português e inglês. Debelou com eficácia uma revolta que rebentou na Zambézia e tomou posse de Inhaca. Em 1890 foi nomeado governador geral da Índia, sendo ministro António Enes.
  • O Almirante António do Nascimento Pereira Sampaio nasceu em 1833 tendo falecido em 1899.
    Exerceu, como militar, além de várias comissões, os cargos de Director da Cordoaria Nacional e da Escola Naval e ainda Vogal do Conselho do Almirantado e do Tribunal Superior de Guerra e Marinha.
    No Ultramar português exerceu as importantes funções de Secretário-Geral do Governo de Angola e de Governador de Cabo Verde e da Índia. Foi ainda Comandante da Estação Naval de Angola.
    Foi presidente da SGL de 1891 a 1893. Foi um colaborador assíduo da Sociedade, devendo-se-lhe o parecer que elaborou em 1883 para a Comissão Africana sobre S. João Baptista da Ajudá.
  • O Alm. Francisco Ferreira do Amaral nasceu em Lisboa em 11 de Junho de 1844, tendo falecido em 1923.
    Além de brilhante oficial de Marinha, foi governador de Mocâmedes em 1878, de S. Tomé e Príncipe em 1879, de Angola em 1882, do Estado da Índia em 1886, foi ainda deputado e ministro.
    Foi nomeado Governador Geral de Angola pelo ministro Fontes Pereira de Melo, permanecendo neste lugar até 1886. Durante o seu governo Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens partem, a 6 de Janeiro de 1884, para a viagem de travessia de África. Aliás durante a vigência do seu governo angolano, acentuam-se as cobiças internacionais sobre Angola. Nesta altura realizou-se a famosa Conferência de Berlim onde aquelas cobiças ainda se ampliaram. Ferreira do Amaral respondeu a tais cobiças governando de modo clarividente e promovendo o progresso de Angola.
  • Zózimo Consiglieri Pedroso é um professor, escritor e político de elevada craveira que pela formação sócio-política se distingue dos anteriores presidentes da SGL. Com efeito, ao invés de ter sido oficial general das forças armadas ou par do reino, ministro da Monarquia ou governador ultramarino, Consiglieri Pedroso foi um destacado membro do Partido Progressista e posteriormente do Partido Republicano.
    Aluno brilhante do Curso Superior de Letras, foi aí professor catedrático e mais tarde Director desta prestigiada instituição. Foi sócio efectivo da Academia das Ciências de Lisboa e, de 1909 a 1910 presidente da nossa Sociedade, precisamente no período de transição da Monarquia para a República.
    Morreu muito cedo, com 49 anos (1851-1910), não tendo assistido ao advento da República pois faleceu em Setembro de 1910.
  • Bernardino Machado (de seu nome completo Bernardino Luís Machado Guimarães); teve vida longa (93 anos), pois viveu de 1851, ano do nascimento, no Rio de Janeiro, a 1944, ano do falecimento no Porto.
    Bernardino Machado foi figura de grande relevo e prestígio na vida sócio-política da época.
    Possuidor de uma forte cultura matemática e filosófica foi autor de trabalhos relevantes com que se apresentou a várias provas universitárias. Professor catedrático da Universidade de Coimbra, deixou aí reputação de mestre talentoso, senhor de vasta erudição.
    Entretanto em 1882 é eleito deputado pelo Partido Regenerador, fazendo a sua estreia parlamentar em 1883. Em 1890 e depois em 1894 o corpo de catedráticos da Universidade de Coimbra elege-o par do reino.
    Com a implantação da República, Bernardino Machado retoma a actividade política activa, tornando-se um grande propagandista e defensor dos ideais republicanos, tendo no seu percurso político ascendido ao lugar de presidente da República.
  • O Dr. Anselmo Braamcamp Freire nasceu em Lisboa em 1849, cidade onde faleceu em 1921.
    Salientou-se na vida como escritor, arqueólogo e genealogista tendo-nos deixado bibliografia importante quer no domínio da Arqueologia, quer no da Genealogia. Foi um dos fundadores do Arquivo Histórico Português, em 1903, onde se encontram alguns dos seus estudos mais relevantes.
    Numa primeira parte da sua vida foi par do reino e moço fidalgo da casa real. Posteriormente, nos tempos finais da Monarquia adere à oposição republicana em 1907. Ainda em plena Monarquia foi presidente do município de Lisboa na sua primeira vereação republicana. Uma vez proclamada a República continuou a desempenhar estas funções. Foi, ainda, deputado às Constituintes de 1911 e foi presidente do Congresso até à proclamação da Constituição da República de 1911.
  • Vicente Maria de Moura Coutinho de Almeida de Eça, Vice-Almirante, escritor e professor da Escola Naval, foi uma personagem notável da intelectualidade portuguesa da segunda metade do século XIX e primeiras décadas do século XX. Foi o décimo Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa, entre 1922 e 1924.
    Nasceu no Porto em 15 de Agosto de 1852, tendo falecido em Lisboa em dez de Novembro de 1929.
    Como se dizia na altura, foi polígrafo de invulgar cultura, é vasta a sua bibliografia, para além de inúmeros artigos publicados em revistas e jornais.
  • O General Tomás António Garcia Rosado foi um dos mais excepcionais militares da sua geração que inclui, entre outros os Generais Gomes da Costa e Teixeira Botelho.
    Desde novo, ainda capitão, publica na Revista do Exército e da Armada uma série de notáveis artigos sobre a defesa terrestre de Lisboa, em 1889.
    Em 1895 bate-se, na Índia, contra os Ranos revoltados.
    Em 1901 é nomeado governador do distrito de Lourenço Marques e posteriormente ascende a governador-geral de Moçambique.
    Depois de ter sido delegado técnico na Conferência Internacional de Bruxelas, em 1906, chefia a delegação que em 1908 negociou entre a África do Sul e Moçambique um novo convénio substituindo o de 1901.
    Durante a vigência da 1ª Grande Guerra é chamado ao comando de uma expedição militar a Moçambique. Tendo organizado com todo o profissionalismo o Corpo Expedicionário a Moçambique não parte com a expedição por desacordo com o critério oficial pelo que é exonerado.
  • O Professor Pedro José da Cunha (1867-1945) foi um insigne matemático e engenheiro, tendo cursado a Escola Politécnica e a do Exército. Foi lente de matemática na Escola Politécnica e posteriormente na Faculdade de Ciências de Lisboa. Ocupou ainda os lugares de Director desta Faculdade, de Reitor da Universidade de Lisboa, foi sócio efectivo da Academia das Ciências de Lisboa e presidente da Sociedade de Geografia de 1927 a 1928. Pertenceu a várias associações científicas nacionais e estrangeiras do domínio da matemática e da astronomia. Foi, inclusivamente Director do Observatório Astronómico da Faculdade de Ciências de Lisboa.
    Na sua carreira militar alcançou o posto de coronel de Engenharia, passando, então, à reserva.
  • O Conde de Penha Garcia, de seu nome José Capelo Franco Frazão nasceu em Capinha – Fundão em 1872 e faleceu em Lisboa em 1940.
    Ainda na vigência da Monarquia foi deputado desde 1898 em várias legislaturas. Em uma delas foi eleito deputado por Macau e Timor.
    Foi presidente da Câmara dos Deputados em 1901 e Ministro da Fazenda em 1904. Adepto de João Franco, aquando da questão dos adiantamentos à família real teve uma pendência com Afonso Costa que ficou famosa.
    Com o advento da Monarquia afasta-se da vida política. Dedica-se então a problemas de Direito Internacional. Profere ainda, no país e no estrangeiro conferências em que defende a presença portuguesa em África.
    Foi presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa pelo dilatado período de doze anos, de 1928 a 1940. Assistiu, pois, à consolidação do Estado Novo e à sua política ultramarina que apoiou. Foi na sua presidência que a Escola Superior Colonial deixa, em 1934, as instalações na Sociedade de Geografia de Lisboa, nas Portas de Santo Antão e passa para um edifício na Praça do Príncipe Real.
  • João António Azevedo Coutinho Fragoso de Sequeira, nasceu em Alter do Chão em 13 de Fevereiro de 1865, assentando praça no Exército (em Cavalaria) aos 15 anos, donde foi transferido para a Armada.
    Guarda-marinha aos 17 anos, aos 20 comandava, em Moçambique, a primeira expedição contra régulos insubmissos.
    Pela sua extraordinária coragem, como pela sua alta consciência patriótica, tornou-se figura lendária nos então territórios ultramarinos em África.
    Regressado ao reino exerce sucessivamente os cargos de vogal da Junta Consultiva do Ultramar e da Comissão de Cartografia. É Governador Civil de Lisboa em 1908 e Ministro da Marinha e do Ultramar entre Dezembro de 1909 e Junho de 1910.
    Monárquico convicto, Azevedo Coutinho para não jurar fidelidade às novas instituições, requereu a reforma em 1910 no posto de Capitão-de-fragata e exilou-se.
    Em Março de 1942 a Assembleia Nacional aprovou por unanimidade uma proposta de lei que visava conceder a título honorário a patente de Vice-Almirante ao ex-oficial da Armada João de Azevedo Coutinho.
  • Manuel António Moreira Júnior foi presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa entre 1945 e 1952. Nasceu em Lisboa em 1866 e faleceu em 1953.
    Médico pela Escola Médica de Lisboa em 1889, ocupa em 1898 a cátedra de Anatomia Patológica desta mesma Escola.
    Membro do Partido Progressista teve actividade política relevante. Eleito deputado pela primeira vez em 1897, foi sempre reeleito membro do parlamento até ao advento do Estado Novo.
    Foi ministro da Marinha e Ultramar dedicando-se ao estudo e resolução de problemas coloniais. Teve papel crucial no início da construção do caminho de ferro de Moçamedes à Chela.
  • O Professor António Augusto Esteves Mendes Correia, foi uma personalidade polifacetada e de relevo, não só na vida universitária, como na sócio-política.
    Nasceu no Porto em 1888 e faleceu em Lisboa em 1960.
    Formou-se em medicina na antiga Escola Médico-Cirúrgica do Porto com elevada classificação com a dissertação inaugural “O génio e o talento na Patologia”.
    Em 1911 ingressa como assistente na Faculdade de Ciências do Porto onde foi o promotor do ensino da Antropologia. Ascendeu a professor catedrático em 1921, dedicando-se à Antropologia, Criminologia e Arqueologia domínios onde nos legou cerca de 300 publicações.
    Foi durante alguns anos Director da Faculdade de Ciências do Porto e membro da antiga Junta de Educação Nacional.
    Fundou o Museu Antropológico do Instituto de Antropologia da Universidade do Porto onde reuniu material de estudo de grande valia e onde congregou um grupo de colaboradores e discípulos dando origem a uma verdadeira escola antropológica.
  • O Prof. Rui Enes Ulrich foi um eminente professor da Faculdade de Direito de Lisboa que dirigiu a Sociedade de Geografia de Lisboa de 1960 a 1964.
    Formado em Direito pela Universidade de Coimbra em 1899 aí se doutorou em 1906. Nomeado lente em 1907 pediu a exoneração do cargo com o advento da República, em 1910.
    Voltou à Universidade, agora à Faculdade de Direito de Lisboa em 1936, sendo nomeado Director desta Faculdade em 1937.
    Foi embaixador de Portugal no Reino Unido por duas vezes: de 1933 a 1935 e posteriormente de 1950 a 1953 data em que atingiu o limite de idade.
  • Adriano José Alves Moreira foi um dos mais dinâmicos presidentes da Sociedade de Geografia de Lisboa.
    Nasceu em 1922, formou-se em Direito pela Universidade de Lisboa, sendo doutor em Direito pela mesma Universidade e pela Universidade Complutense de Madrid com a tese “A Europa em Formação”.
    Foi professor e mais tarde director do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa de que é, hoje, professor jubilado. Foi director do Centro de Estudos Políticos e Sociais da Junta de Investigação do Ultramar, vogal do Conselho Ultramarino e procurador à Câmara Corporativa.
    Foi prémio Abílio Lopes do Rêgo da Academia das Ciências de Lisboa de que é académico de número, e tem sido presidente e vice-presidente.
    Foi ministro do Ultramar no Governo de Salazar (1961 a 1963), num período delicado da vida nas colónias.
    Depois da Revolução de 25 de Abril de 1974 teve que se ausentar para o Brasil onde leccionou na Universidade Católica do Rio de Janeiro e foi curador da Universidade Cândido Mendes.
    Regressado ao país em 1977 retomou a sua actividade política sendo eleito deputado à Assembleia da República em 1979. Foi vice-presidente desta mesma Assembleia da República de 1991 a 1995.
  • Fernando Simões Coelho da Fonseca, nasceu a 13 de Fevereiro de 1926. Fez a sua carreira na nossa Armada onde ingressa em 1944 e atinge a patente de Vice-Almirante em Janeiro de 1983.
    Para além deste relevante curriculum militar o Almirante Fernando Fonseca presidiu à Sociedade de Geografia de Lisboa de 1975 a 1978, em período em que foi fundamental a sua acção calma e firme, paciente, mas clarividente para conduzir os destinos desta instituição que comemorou o seu centenário sob a sua égide.
    Nesta mesma Sociedade colaborou e presidiu à Secção de Geografia dos Oceanos e à Comissão de Relações Internacionais. Significa isto que o Almirante Fernando Fonseca dedicou muito do seu tempo e saber à Sociedade de Geografia de Lisboa, participando activamente em algumas das suas Secções e Comissões.
  • José Augusto Barahona Fernandes nasceu em 22 de Maio de 1916 e faleceu em Lisboa a 1 de Abril de 2000.
    Na Sociedade de Geografia de Lisboa foi sócio desde 1949, tendo sido vogal da Secção de Geodesia desde 1957, foi o primeiro presidente da Secção de Geografia dos Oceanos de 1976 a 1977. Em 1978 é eleito Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa que dirige até 1983. Devem-se acções relevantes em vários ciclos de conferências tais como: “A exploração do espaço marítimo” em1976, e “A exploração da Zona Económica Exclusiva Portuguesa”, em 1980.
    Foi autor de vários trabalhos sobre geodesia, hidrografia e oceanografia principalmente ligados a Moçambique e também a Macau. É autor da obra de referência “Manual de Hidrografia”, editado pelo Instituto Hidrográfico em 1967,
    O Almirante Barahona Fernandes era um espírito esclarecido e bom conhecedor dos nossos problemas da investigação e exploração do mar, até pelas várias e importantes funções que desempenhou neste domínio, inclusivamente na Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica (JNICT).
  • Eduardo Henrique Serra Brandão nasceu em 27 de Fevereiro de 1922, em Lisboa.
    Foi Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa de 1983 a 1988.
    Trata-se de uma personalidade que ao lado de uma carreira brilhante na Marinha, possui uma não menos relevante actividade na vida civil como economista e gestor de empresas.
    Passa à Reserva em 1972, após servir a Armada portuguesa durante trinta e três anos.
    Desde então até hoje, na vida civil há trinta anos, tem tido actividades polifacetadas. Com efeito tem sido consultor do Governo para assuntos de Direito Internacional Marítimo, bem como exercido intensa actividade económica-financeira como administrador em um número dilatado de importantes empresas nacionais.
    Além de ter sido Vice-Presidente e Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa, é membro efectivo da Academia da Marinha, da American Society of Internacional Law, do Centro de Estudos de Estatística Económica e da Associação Portuguesa de Direito Marítimo de que foi membro fundador. Entre 1986 e 1988 foi presidente da Comissão dos Descobrimentos.
  • António Egídio de Sousa Leitão (1926-2000) foi um aluno distinto, quer na Escola Naval, quer no Instituto Superior Técnico onde cursou cadeiras que lhe vieram a conferir o título de Engenheiro Hidrógrafo, quer em diversos cursos tirados no estrangeiro.
    Em 1978 é nomeado, aos 52 anos, Chefe do Estado-Maior da Armada e promovido a Almirante. Por inerência do cargo é nomeado vogal do Conselho da Revolução até à sua extinção em 1982.
    Chefiou a Armada portuguesa durante nove anos em época difícil do ponto de vista sócio-político. É unânime a opinião de que exerceu esta chefia com grande capacidade de comando tendo ultrapassado inúmeras dificuldades, levando a nossa Marinha a bom porto. É uma dívida que a Nação tem para com este seu servidor que nunca é demais recordar.
    Ao Almirante Sousa Leitão se deve a criação da Academia da Marinha, por proposta do Almirante Sarmento Rodrigues. Foi ainda sócio efectivo desta Academia, também o era da Academia Internacional da Cultura Portuguesa. Era sócio honorário da Academia Portuguesa da História.
    Sousa Leitão serviu abnegadamente a Sociedade de Geografia de 1988 a 2000.
    Durante os doze anos que dirigiu superiormente a Sociedade de Geografia de Lisboa procurou consolidar aquisições, abrir novas vias de actividades e obter apoios diversos.
Junho 2017
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930EC
Newsletter