Nokubê (Machado ritual)

Bidyogo, Guiné-Bissau

Séc. XIX, madeira e metal, 34 cm

Machado utilizado pelas raparigas defuntos durante as cerimónias de iniciação através das quais ingressam na classe de idade Cabaro.

Lápide funerária

Goa (Índia)

Séc. XVI, mármore, 138x160x11,5 cm

Estela com inscrições nas duas faces. Numa face a inscrição em português: “Esta sepultura é de Rui Freire e nela jaz sua mulher que faleceu na era de 1562”. Na outra, várias inscrições em árabe com versículos do Corão.

Vitral

Holanda (Maarlem)

1920, Vidro, chumbo, madeira, 150cmx120cm

Executado na Holanda no atelier de W. Bogtman.

Vitral alusivo à vida do navegador Fernão de Magalhães.

Vitral

Portugal

Vidro, chumbo, madeira, 210×112 cm

Ricardo Leone

Vitral alusivo à descoberta do Brasil e à travessia do Atlântico Sul por Gago Coutinho e Sacadura Cabral. Distinguido com o Grande Prémio do Rio de Janeiro, em 1823.

Cabeça comemorativa do Oba (rei)

Reino do Benin, Nigéria

Séc. XIX, bronze [latão], 45×29 cm

Cabeça comemorativa ubunmwun-elao para ser colocada sobre o altar real dedicado aos antepassados. Fabricada pela técnica da cera perdida nela estão representadas a coroa de coral erhu ede e o grande colar odigba, também de coral, usada pelo Oba. O orifício existente no topo da cabeça serve para colocar uma presa de elefante, esculpida em baixo relevo, com temáticas reais.

Oferta de Max Shoeller (1899).

Iran (Grande Espírito)

Bidyogo, Guiné-Bissau
Séc. XIX, madeira, 44 cm

Objecto que contém energia sagrada e ao qual toda a aldeia presta homenagem. “Remédio do Espírito” que serve de intermediário entre os vivos e os seus antepassados

Figurinha funerária (ushabti)

Egipto
Terceiro Período Intermediário, XXI dinastia
Faiança pintada, 13 cm
Túmulo colectivo dos sacerdotes de Amon de Bab el-Gassus, Deir el-Bahari, Necrópole tebana.

As figurinhas funerárias Ushabti (aquele que responde) do Antigo Egipto eram colocadas nos túmulos. Representavam os criados que serviam o defunto no mundo dos mortos. Apresentam normalmente inscrições com o nome do defunto ou com passagens religiosas relevantes retiradas do Livro dos Mortos. Oferecida pelo Museu do Cairo em 1893.

Sarcófago Antropomórfico

Egipto
Terceiro Período Intermediário, XXI dinastia
Madeira Policromada
Túmulo colectivo dos sacerdotes de Amon de Bab el-Gassus, Deir el-Bahari, Necrópole tebana.

Este sarcófago fazia parte de um dos 153 enterramentos descobertos em 1891 no túmulo colectivo dos sacerdotes de Amon de Bab el-Gassus, distanciado apenas dez anos de uma outra importante descoberta arqueológica, o esconderijo de múmias reais de Deir el-Bahari. Este grandioso achado levantou sérios problemas de logística a Georges Darressy e a Grébaut que, confrontados com a impossibilidade de conservar no Museu de Boulaq todos os monumentos encontrados, procederam ao loteamento do mesmo pelas principais instituições museológicas das «potências estrangeiras» como então lhes chamaram. A par de ilustres instituições como o Museu do Louvre, o Museu Britânico, o Museu Gregoriano do Vaticano, entre outras, a Sociedade de Geografia de Lisboa recebeu em 1893 cinco sarcófagos e três tampas de múmia, para além de oitenta e oito estatuetas funerárias. Estes sarcófagos encontram-se entre os mais belos e os mais complexos do Antigo Egipto, constituindo uma importantíssima fonte para o estudo da sociedade e da religião egípcia.

Rogério Sousa