SGL

História

A Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) foi criada em 1875. É uma instituição, nas suas origens e nas suas finalidades, muito ligada ao contexto português dessa época, à situação da Europa desse tempo e ao que era a problemática da nossa posição no Ultramar e especialmente em África.
Como é sabido na segunda metade de oitocentos deu-se o movimento de corrida a África das potências industriais da Europa. Controlada a Ásia e a Oceânia pelos países dominantes, ocupado o Oeste da América do Norte por colonos vindos do Leste que empurram para o Sul os mexicanos, consolidada a implantação inglesa no interior do Canadá, disputada a Ásia Central entre a Rússia e a Grã-Bretanha, apenas a África se apresentava como espaço onde a expansão territorial era possível.

A campanha contra o tráfico de escravos entre os portos africanos e a América, a luta pela extinção definitiva da escravatura, aumentaram o interesse da opinião pública europeia pelo continente africano. As sociedades missionárias protestantes e católicas empenhadas na luta contra a escravatura criaram missões religiosas em diversos lugares, que ajudaram a divulgar na Europa notícias sobre as gentes e a terra. As viagens dos múltiplos exploradores que percorriam o interior do continente traziam novidades que alimentavam os comentários da imprensa. As Sociedades de Geografias de Londres e de Paris recebiam solenemente e premiavam os exploradores.

Em nome da ciência geográfica avançavam-se projectos de ocupação territorial a partir da África Ocidental, da África do Sul e as costas da África Oriental, que criaram alguma preocupação com o futuro das posições portuguesas em África.
Pareceu, por isso, indispensável a Luciano Cordeiro e a outros interessados nas questões ultramarinas que Portugal estivesse também representado nesse grande movimento. Disso nasceu em 1875 a Sociedade de Geografia de Lisboa, que teve desde o início pleno apoio oficial.

O potencial de risco para os interesses portugueses resultante deste grande impulso lançado em nome da ciência geográfica ficou logo evidente nas consequências da reunião de exploradores promovida em 1876 em Bruxelas pelo Rei Leopoldo II, donde saiu a criação de uma Associação Africana Internacional, encabeçada por uma Comissão Internacional, cuja presidência o Rei assumiu, e que anunciou como projecto imediato a exploração da África Central, mediante a criação de estações civilizadoras entre Luanda e Zanzibar, através de terras que os portugueses se tinham habituado a conceber como estando associadas à segurança da sua presença em Angola.
Que nenhum português tivesse sido convidado a participar num encontro em que se deliberou sobre a acção em terras onde Portugal era a única potência europeia a ter então uma presença continuada, anunciava aos observadores de Lisboa o desencadear de forças que iriam afectar em muito os interesses nacionais.

A Conferência de Berlim em 1884 mostrou isso de modo bem claro. Nela se definiu um novo direito internacional para a África, impondo condições para o reconhecimento dos direitos de ocupação territorial por potências europeias nada favoráveis aos interesses portugueses.

Na delegação portuguesa à conferência foi integrado Luciano Cordeiro, reconhecido já como um dos melhores conhecedores dos problemas da política africana do seu tempo. À sua acção nos círculos políticos de Lisboa se deve em larga parte que Portugal tenha assumido um intervencionismo de importantes consequências na nova vaga da exploração africana.

Quais as ocorrências entre 1876 e 1884 em que se possa encontrar explicação para termos sido afastados da conferência de 1876 e convidados para a de 1884?

A resposta parece ser esta: Portugal, conhecedor do perigo e das ameaças pendentes sobre as suas possessões africanas, dos riscos que ameaçavam os seus direitos, reage por diversas formas, consciente da necessidade de manter, nos territórios a que tinha direito, um exercício efectivo da soberania. E para tal, entre outras medidas e iniciativas, realizam-se viagens de exploração.

Logo a partir da sua fundação, vários documentos expressam o interesse da SGL em impulsionar as explorações científicas. Em 1878, D. Luís [1, 2] declara-se protector da SGL, em carta de 14 de Novembro, onde se refere o “louvável empenho com que se tem promovido os trabalhos indispensáveis para o desenvolvimento dos estudos e explorações geográficas”.

A S. G. L., surge-nos portanto, nas suas origens e nas actividades iniciais, como uma instituição particular fortemente interessada e integrada num problema dominante da vida política portuguesa na segunda metade do século XIX e intimamente ligada a uma das preocupações dos seus governos: a posse, a governação e o fomento dos territórios africanos e também dos asiáticos. Em recente estudo sobre a conjuntura em que se insere a SGL, J. Amado Mendes afirmou: “…pode-se dizer que, em tudo o que se relacionasse com o Ultramar, a Sociedade de Geografia esteve presente.”

Através dos tempos e das vicissitudes da vida do País, vai afirmar-se, como talvez nenhuma outra instituição particular, especialmente ligada à vida nacional cultural, viva e actuante, em certos casos tomando iniciativas, em outros colaborando condignamente em solicitações da vida nacional. É assim que, em 1877, recebe a visita do imperador do Brasil, em 1903 a visita de Eduardo VII de Inglaterra, em 1905 as visitas do imperador da Alemanha e do Presidente da República Francesa Loubet. Acompanhou os visitantes à sede da Sociedade o rei D. Carlos. Em 1910, nas vésperas da República, acolheu o presidente eleito do Brasil, marechal Hermes da Fonseca. Tão honrosa participação, em visitas de tanto significado político, indica claramente o posicionamento da SGL na vida nacional.

Assinale-se ter a SGL, em 1878, agora numa perspectiva bem diferente, tendo solicitado ao Governo a criação de um Instituto de Estudos Coloniais, para preparar aqueles que viessem a desempenhar funções públicas nas Colónias. Mas só bastantes anos depois, em 1906, se concretizou essa aspiração, criando-se a Escola Colonial, a qual vai funcionar precisamente na SGL É o actual Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.
Também na SGL foi criada a Escola Superior de Educação Física, que aqui funcionou entre 1930 e 1940, tornando-se depois o Instituto Nacional de Motricidade Humana, igualmente integrada na Universidade Técnica.
Congressos, exposições e colóquios, uns promovidos pela SGL, outros em colaboração, e em grande número, tiveram e têm tido as sessões nas suas salas. De maior significado, tem-se, em 1901, no seu 25º aniversário, a inauguração do 1º Congresso Colonial Nacional, levado a efeito na própria SGL Em 1924, o 2º Congresso Colonial Nacional, donde saíram votos do maior significado. Apontam-se só alguns deles, como a criação do Arquivo Histórico Colonial, fundado mais tarde; atribuição de nível universitário à Escola Colonial, o que veio a suceder, como se referiu; realização das Semanas das Colónias. Em 1927, efectua-se a primeira. Estas Semanas, impulsionadas e coordenadas pela SGL, realizadas tantos anos, vêm a tornar-se um factor de divulgação e estudo dos territórios de além-mar. O Terceiro Congresso Colonial Nacional realizado em 1930 e do qual saíram importantes votos.
Decorridos quatro, anos e integrado na Grande Exposição Colonial do Porto, realizou a SGL o Congresso da Colonização.
O problema do turismo bem cedo mereceu a atenção da SGL, que, em 1936, organizou o 1º Congresso Nacional de Turismo.
A SGL, na sua sessão de 21 de Abril de 1879, manifesta o interesse que havia em se conhecer e se tornar conhecida a situação dos portugueses que viviam fora do seu país. Em 1880, é dirigido ao Ministério dos Negócios Estrangeiros o questionário inicial para essa investigação. As respostas obtidas vão sendo divulgadas no Boletim da S.G.L.
Em 1938, reactivaram-se essas investigações, conforme expressa um relatório da direcção da SGL, e, depois, no Boletim, publicam-se as informações recolhidas.

É este interesse e esta actividade que levam o presidente da SGL Prof. Adriano Moreira a lançar a ideia de uma Congregação Geral das Comunidades Portuguesas, em 1964. Depois, a SGL apela para que se reunam em Lisboa, em congresso, representantes das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo. Em Dezembro desse ano, na Sala Portugal da SGL, inaugura-se o Congresso das Comunidades. A ampla participação de portugueses ou descendentes de portugueses, vindos de tantas partes do mundo, mostrou o êxito alcançado pelo Congresso. Dele saíram a União das Comunidades de Cultura Portuguesa e a Academia Internacional da Cultura Portuguesa, ambas sediadas na SGL Em 1967, e em Moçambique, reuniu-se o segundo congresso.

Outra importante iniciativa da SGL foi a criação de um serviço de intercâmbio epistolar entre os alunos das escolas da Metrópole e do Ultramar português. No relatório da direcção de 1932, acolheu-se essa iniciativa de um sócio da SGL e apontam-se apoios recebidos. O intercâmbio depois alargou-se ao Brasil e à América do Norte. Em 1935, 1936 e 1938 realizaram-se exposições do intercâmbio efectuado. Uma portaria do Ministério da Educação Nacional louva a SGL “por tão útil como patriótica iniciativa, que merece todo o carinho e auxílio”.
Refira-se que em reconhecimento das múltiplas actividades sócio-culturais da SGL lhe têm sido atribuídas condecorações que atestam o prestígio e valor das referidas actividades.

Dos muitos eventos realizados na SGL foram editadas publicações.

A SGL bem cedo pensou em criar um Museu Colonial na sua sede. Em circular de 15 de Fevereiro de 1884, dirigida aos sócios, diz ter começado a sua instalação. Esse museu “irá crescendo” – dizia a circular – “pela colheita directamente obtida e pelo depósito com que quaisquer pessoas nos queiram honrar de objectos dignos de figurar nele”. O Estado compreendeu a importância do Museu. Em 1892, confiou à SGL o Museu Colonial da Marinha, criado em 1871. Muitos são os que entendem o papel que esse Museu poderá desempenhar. E, se recebe padrões e restos de padrões colocados pelos navegadores portugueses do século XV na costa africana, também recebeu da Índia a urna funerária de Afonso de Albuquerque. Os mais diversos objectos chegam, vindos da África, da Ásia, da Oceânia, muitas foram as doações. A variedade e importância das peças que têm figurado em exposições (21, 21a, 21b, 21c, 21d, 21e, 21f, 21g, 21h, 21i, 21j). no País e no estrangeiro mostram bem a riqueza do Museu da SGL Nessas exposições também têm figurado espécies bibliográficas e documentais da Biblioteca da SGL, que mostram igualmente a sua riqueza.

Hoje em dia é preocupação fundamental a manutenção e o reforço dos laços culturais e científicos com a Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP) por meio de conferências, seminários, edições de livros e publicação sistemática do Boletim e Memórias. Acresce que a actividade cultural geral, alargada aos mais variados domínios se tem incrementado. Desde o estudo dos problemas do uso e exploração racional dos oceanos, pela cartografia e geografia matemática e pela conservação do património cultural até aos mais diversos domínios dos estudos históricos e literários, as Comissões e as Secções da SGL mostram actividade de realçar.

Desde 1875 a SGL tem sido dirigida por personalidades oriundas de várias áreas da actividade humana, tem ao longo da sua existência vinte e três presidentes, que foram militares, marinheiros, juristas, ou professores de diversos domínios do saber.

Setembro 2017
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Newsletter