Padrão de Santo Agostinho

19a-39a-padrao-de-stoagostinPortugal

1482, pedra calcária, 169 cm (coluna) 47x33x33 cm (cabeça)

O Padrão de Santo Agostinho, colocado em Agosto de 1483 no chamado cabo de Santo Agostinho (actual Cabo Santa Maria) a sul de Benguela, foi o segundo de um conjunto de quatro marcos que o navegador Diogo Cão deixou na costa ocidental africana, para testemunhar a primazia da chegada dos portugueses.

A face anterior é decorada com escudo real. Falta a base de apoio e a cruz cimeira do Padrão. As faces laterais e posteriores da cabeça contêm a seguinte inscrição: “Era da creação do mundo de 6681, ano do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo de 1482, o mais alto. mui excelente e poderoso príncipe e-rei Dom João Segundo de Portugal, mandou descobrir esta terra e pôr estes padrões por Diogo Cão, escudeiro da sua Casa”.

Globo celeste

84-tsglp80afig_84Itália

Séc. XVIII, madeira, metal, tela, papier mâché, gesso, papel, 110 cm (globo), 70 cm (base)

Vicenzo Coronelli (1650-1718)

O par de globos (celeste e terrestre) da SGL foi adquirido em 1723 em Haia pelo diplomata João Gomes da Silva, Conde de Tarouca e teve como destino a Biblioteca Real de D. João V. Em 1878 encontravam-se no Arsenal do Exército tendo sido incorporados nas colecções da Sociedade de Geografia de Lisboa.

Globo terrestre

83-tsglp80fig_83

Itália

Séc. XVIII, madeira, metal, tela, papier mâché, gesso, papel, 110 cm (globo), 70 cm (base)

Vicenzo Coronelli (1650-1718)

O par de globos (celeste e terrestre) da SGL foi adquirido em 1723 em Haia pelo diplomata João Gomes da Silva, Conde de Tarouca e teve como destino a Biblioteca Real de D. João V. Em 1878 encontravam-se no Arsenal do Exército tendo sido incorporados nas colecções da Sociedade de Geografia de Lisboa.

Vitral

10-fig_72-portal

Portugal

Vidro, chumbo, madeira, 210×112 cm

Ricardo Leone

Vitral alusivo à descoberta do Brasil e à travessia do Atlântico Sul por Gago Coutinho e Sacadura Cabral. Distinguido com o Grande Prémio do Rio de Janeiro, em 1823.