SGL

Cartoteca

A  S.G.L.  E AS EDIÇÕES PRÓPRIAS DE CARTOGRAFIA ULTRAMARINA OITOCENTISTA

Deve-se a Luciano Cordeiro e a um vasto número de intelectuais da época, a fundação da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) em 1875. Em petição apresentada pela SGL ao Rei D. Luís, afirmava-se taxativamente que “os requerentes (…) julgam cumprir simplesmente um dever para com a Sciência (…) e para com a Pátria (…) procurando agremiar os esforços e realizar as aspirações de inúmeros estudiosos; ligar o país ao convívio scientífico do mundo civilizado (…), e finalmente evocar a luz e a justiça da Crítica moderna para o grandioso e infelizmente esquecido, caluniado ou mutilado trabalho com que a Nação Portuguesa, pelos velhos cosmógrafos e navegadores, há contribuído para a civilização geral e para a vasta e completa Sciência da Terra”.
Os Estatutos da SGL, de 1876 e ainda em vigor, no seu Artigo 2º define que “os fins da Sociedade” ,
A realização destes fins é referida em 14 itens do artigo 3 dos Estatutos.
Citamos apenas o item 10 pela sua importância e projecção no futuro da Sociedade. Diz ele: “organizando, promovendo ou auxiliando explorações, expedições e excursões científicas ou de estudo, e a formação de grupos ou clubes seccionais de excursões, de exercícios ou de diversões educativas que concorram para melhorar e fortalecer a educação cívica nacional, e auxiliar a difusão e aperfeiçoamento dos conhecimentos geográficos”.
Desde o início e de modo particular após a criação da Comissão Nacional de Exploração e Civilização de África, por proposta da direcção subscrita por Barbosa du Bocage, Luciano Cordeiro e Rodrigo Pequito aprovada em 27 de Março de 1877, esta Sociedade promove e patrocina múltiplas empresas de exploração e ocupação territorial de que se salientam as expedições de Serpa Pinto, Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens.

O Ministério da Marinha e Ultramar cria, por decreto de 17 de Fevereiro de 1876, a Commissão Central Permanente de Geographia. Neste acto ficam bem expressas as preocupações do governo português pelo conhecimento científico do ultramar, na esteira do que faziam as demais potências europeias com interesses em África.
Lê-se no preâmbulo deste decreto que “considerando como é de máxima conveniência pública a existencia de uma commissão permanente…..” Esta comissão era “composta de dezoito vogaes effectivos residentes em Lisboa, e de delegados, sem numero fixo, não só no reino e nas provincias ultramarinas, mas tambem nos paizes estrangeiros”.
Entretanto, dado o êxito das actividades da SGL e procurando articular as funções do Estado com as da Sociedade, visto que os objectivos a alcançar eram os mesmos foi, esta comissão, em 1880, pelo decreto de 12 de Agosto integrada na Sociedade de Geografia com o nome de Comissão Central de Geografia.
A acção e os trabalhos da Comissão de Cartografia foram de enorme interesse como afirma o Prof. Luís de Albuquerque quando diz “a decisão, finalmente tomada em 1883, no sentido de através de provas cartográficas cientificamente preparadas, ficar testemunhada a amplitude dos direitos coloniais portugueses em África, aproxima-se, quanto a intenções e a resultados, das medidas que nos séculos XV e XVI se tomaram, através igualmente de meios cartográficos, para documentar a extensão das navegações desse tempo”.
Para além de Luciano Cordeiro deve-se recordar Ernesto de Vasconcelos. Foi Secretário-Geral da SGL (1911-1930) e foi Presidente da Commissão Central de Cartographia. Aqui a sua acção foi notável: promoveu a criação de diversas missões geográficas e científicas, a elaboração de inúmeras cartas dos territórios ultramarinos, organizou e publicou muita documentação justificativa dos direitos portugueses no traçado de fronteiras, organizou várias exposições de que se recorda a de cartografia (1903/4) [1, 2, 3], as de produtos coloniais (1903 e 1906), a dos meios de transporte (1909) e dois Congressos Coloniais (1924 e 1930).
Se procurarmos saber a distribuição das cartas em apreço pelos territórios ultramarinos é a seguinte:

África 2
Angola 8
Ajudá/Daomé 1
Cabo Verde 5
Guiné 3
Índia 2
Macau 3
Moçambique 17
S. Tomé e Príncipe 3

Boa parte deste trabalho de levantamento foi realizado no âmbito do projecto da FCT “Cartografia Política e Territórios Coloniais” POCTI/HAR/42217/2001.

  1. Deste modo a SGL foi dando corpo e forma aos movimentos de opinião pública sobre o Ultramar português, divulgando-os e promovendo amplas discussões estendidas à sociedade civil, levando ainda ao governo resultados desta importante actividade cultural. Acresce que a Sociedade se lança em campanha de relações com agremiações congéneres estrangeiras sendo interlocutora, do lado português, com os meios científicos internacionais, inclusivamente apoiando a acção dos nossos diplomatas.
    Concomitantemente com esta acção da SGL, instituições como a Real Academia das Sciências de Lisboa promoveram uma série de conferências públicas sobre temas ultramarinos em que participaram o Marquês de Sousa Holstein (…), Pinheiro Chagas entre outros.
  2. Composta de pessoas que, pelos seus variados conhecimentos scientificos, possam cooperar para o progressivo desenvolvimento e aperfeiçoamento da geographia, da historia ethnologica, da archeologia, da anthropologia e das sciencias naturaes em relação ao territorio portuguez, mormente das possessões do ultramar; já organisando explorações scientificas; já colligindo exemplares e documentos que interessem ás mesmas sciencias; já promovendo e auxiliando quaesquer trabalhos e publicações que se julguem adequadas; já, finalmente propondo ao governo todas as providencias que tendam a tornar mais e melhor conhecidas aquellas vastas e importantes regiões ultramarinas”.
  3. A originalidade deste facto resulta da integração de um organismo oficial em uma associação particular. Todavia deve salientar-se que a personalidade jurídica da comissão, mesmo com o nome alterado, manteve-se. Não houve fusão entre as duas entidades. A SGL apenas assegurou o funcionamento da agora designada Commissão Central de Geographia, facultando-lhe instalações, material e pessoal. Quer dizer que a comissão passou a ser um organismo do Estado ao cuidado da SGL, mantendo os poderes públicos o apoio financeiro para que a Comissão pudesse actuar.
  4. Não foi despicienda a produção cartográfica específica da SGL no lapso de tempo 1880-1894. Com efeito ela resultou nos seguintes conjuntos cartográficos:
    1. Conjunto de 15 cartas itinerárias, relativas a expedições geográficas africanas, relativamente às quais o papel preponderante da SGL é sobejamente conhecido.
    2. Cinco cartas relativas à delimitação de fronteiras e construção de caminhos de ferro.
    3. Conjunto de 11 plantas de cidades das ex-Colónias, apresentadas ao então Ministério da Marinha e Ultramar, com o objectivo de serem enviadas ao Congresso Internacional de Ciências Geográficas.
    4. Conjunto de 10 cartas hidrográficas parcelares de Moçambique e Angola, que se inseriam num projecto mais amplo da SGL, tendo em vista o conhecimento hidrográfico e o incremento das comunicações.
    5. Conjunto de 3 cartas gerais.
    6. Elaborou-se ainda relação exaustiva dos artigos do Boletim da SGL que se referem aos mesmos estudos de cartografia, no intervalo de 1883 a 1936. Verifica-se da análise dos dados do levantamento da cartografia editada que é pouca a posterior a 1893. Cerca de 90% desta cartografia (40 cartas) são editados entre 1881 e 1893. Representarão a acção específica da SGL para a cartografia oitocentista ultramarina, bem como a actividade do período em que a Commissão Central de Geographia estava inserida na SGL.
Julho 2017
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31EC
Newsletter